Sexta, 07 de Maio de 2021
81991863488
Câmara dos Deputados Câmara dos Deputados

Oposição busca assinaturas para CPI na Câmara sobre responsabilidade do governo na pandemia

Líder do PSL acredita que a ação da oposição “é mais uma que não vai dar em nada”

14/04/2021 15h10
Por: Ricardo Almeida Fonte: Agência Câmara de Notícias
Calheiro:
Calheiro: "O Brasil não pode continuar como está - (Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)

Após a criação pelo Senado Federal da chamada CPI da Covid, líderes de partidos da oposição decidiram intensificar esforços para a constituição de outra comissão parlamentar de inquérito, desta vez na Câmara, para investigar a responsabilidade do governo federal no enfrentamento da pandemia.

A informação foi prestada pelo líder do PCdoB, deputado Renildo Calheiros (PE). Ele disse que a decisão foi tomada após reunião com presidentes de vários partidos de oposição e líderes das agremiações.

“Aqui na Câmara, nós, líderes partidários, assumimos o compromisso de nos debruçarmos para completar 171 assinaturas para que a Câmara dos Deputados também cumpra o seu papel e realize uma investigação sobre a responsabilidade do governo no enfrentamento da Covid”, disse Calheiros, referindo-se ao número mínimo de assinaturas exigidas para a criação de uma CPI. “É necessário que se dê ampla divulgação à negligência, descaso e orientações erradas feitas pelo Ministério da Saúde e pelo próprio governo federal”, completou.

Conforme Renildo Calheiros, os líderes da oposição resolveram ainda intensificar a mobilização e a articulação com movimentos da sociedade civil e a participação na tribuna da Câmara para denunciar esses fatos. “Decidimos elaborar nota contundente a ser entregue ao presidente da Câmara mostrando que o Brasil não aceita ser governado dessa maneira, não vamos esperar que todos morram para tomar uma atitude”, acrescentou.

“Estamos convencidos de que o Brasil não pode continuar como está. A pandemia já vitimou mais de 350 mil pessoas, o País bate recorde após recorde em números de mortos, e o presidente continua insensível com disputas laterais em vez de mobilizar o País para enfrentar a pandemia”, criticou.

Vitor Hugo: governo tem trabalhado para
Vitor Hugo: governo tem trabalhado para "salvar vidas e preservar empregos” - (Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)

Visão do governo
O líder do PSL, deputado Vitor Hugo (PSL-GO), no entanto, acredita que a ação da oposição “é mais uma que não vai dar em nada”.

“Não vejo nada de mais nesse movimento de oposição, é uma reunião para tratar dos seus esforços, até porque o presente momento eles nada fizeram nesta legislatura, neste governo, não contribuíram em nada nas discussões, pelo contrário, apresentaram pedidos de impeachment desconexos da realidade, que não têm qualquer viabilidade jurídica ou política e têm feito discursos vazios no Plenário da Câmara dos Deputados”, avaliou.

“O nosso governo, o governo Bolsonaro, tem feito grandes trabalhos para salvar vidas e preservar empregos dos brasileiros”, disse ainda. Entre essas ações, o deputado citou o pagamento do auxílio emergencial, a ajuda a estados e municípios, a ajuda a empregados e empresas – propostas aprovadas pelo Congresso Nacional. Além disso, Vitor Hugo mencionou a busca por vacinas pelo governo.

“Mais de 500 milhões de vacinas já [foram] contratadas para imunizar a população. Somos o quinto país do mundo em números absolutos que mais vacinou e o nono país em número relativos por 100 mil habitantes, e isso mostra todo o esforço do governo”, afirmou.

Segundo o World In Data, plataforma que monitora as vacinações contra Covid no mundo desenvolvida pela Universidade de Oxford, o Brasil aparece em quinto lugar no ranking global de total de doses aplicadas. Porém, ao se levar em conta o número de doses administradas a cada 100 pessoas, o País cai para a posição 67 no ranking.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.