Thinking
Descomplica pós3
Descomplica pós
ARTIGO

O que levou Romildo de volta à Presidência do BNB

O ex-presidente reconduzido ao cargo nesta quarta-feira (24) tem a simpatia do ministro Paulo Guedes e ocupa vácuo não preenchido pelo Centrão

27/06/2020 08h05
Por:

A volta de Romildo Rolim ao comando do Banco do Nordeste tem uma componente técnica. Não que o atual interino, o também diretor financeiro Antônio Jorge, não tenha. Tampouco que Alexandre Cabral, da mais que meteórica passagem pela cadeira, também não. A ambos faltou a simpatia do Ministério da Economia, leia-se o ministro Paulo Guedes.

 

Romildo traz no portfólio números exuberantes aos olhos de Brasília. Na sua gestão, o BNB obteve lucro líquido com alta de 135,6% em 2019, ante 2018. Atingiu R$ 1,73 bilhão.

 

Nos corredores virtuais do Passaré (muita gente está em home office e só vai à sede se assinar termo se responsabilizando pelo risco), a leitura do que aconteceu é a seguinte: Alexandre se articulou em Brasília e chegou lá. Mas, ao não ter erguido uma ponte no Ministério, ruiu em 24 horas.

 

Ante o vácuo, não devidamente preenchido pela Política - o Centrão não deu a resposta para o lugar de Alexandre - Romildo foi um nome adequado aos olhos de Guedes.

 

Pesara para a saída de Alexandre a reportagem do Estadão que mostrava ser ele alvo de investigação pelo Tribunal de Contas da União (TCU) sobre suspeitas de irregularidades em contratações feitas pela Casa da Moeda, em 2018. Uma apuração. Não uma condenação. Mas o bastante para o Ministério ejetá-lo.

 

A rigor, seja qual for o juízo que se faça de Guedes e das nomeações por ele feitas, todas têm em comum o critério técnico como determinante. É assim na Caixa Econômica, com Pedro Guimarães, e no Banco do Brasil, com Rubens Novaes. 

Por Jocélio Leal - Portal O Povo Mais

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários